quinta-feira, 9 de agosto de 2012

a mulher VESTIDA DE ROSAS - por Simone Huck


"Sangue", 2012 - Simone Huck
  
Vestiu-se de rosas. Não. Não da cor rosa e sim da flor rosa. Rosas vermelhas e vivas, flamejantes. Colocou-se nua e aproveitou que as flores estavam maduras, com suculentos espinhos capazes de atravessar longos centímetros de epiderme e músculos. Num lento ritual ia posicionando as rosas em cima dos braços, pernas, barriga, costas e cravava, uma a uma, em sua pele. Em algum lugar da sua pequena vida sobrevivia uma certa paixão, ainda que suspensa.
Não, não sangrava. Nem doía. Já fazia tempo que nada sangrava. Quando a vida pesa, ela empedra, vira casco, osso, coágulo seco e hirto. Olhou no relógio, eram quase seis horas do dia 22 de julho, dia de Santa Maria Madalena e também o dia de enfim, cravar-se de rosas. 
Chegou em casa com dois baldes capazes de abrigar seis dúzias de flores em espinho. Estava feliz. Estava vermelha. Estava estabelecida. Sentia que aquele era o momento exato de finalmente dar algum sentido à sua vida e validar as escrituras. Havia uma pequena réstia de crença em si. Andava cansada de procurar alguma razão útil entre terra e céu. 

Olhou-se no espelho e finalmente estava vestida com a roupa que tanto desejou. Por cima da sua nudez somente rosas. Do seu corpo só se via o rosto e a sola dos pés. Abriu a porta da casa e saiu ereta, correta e decidida. Naquele exato momento passava uma procissão. Os fiéis carregavam o altar com a Santa Maria Madalena e quando a notaram quase deixaram cair a santa. A maioria deles, beatos e servos de Deus, cochicharam alguma permitida blasfêmia e fizeram o sinal da cruz, mas ela, toda fincada de rosas, não se deixou intimidar pela artilharia dos sagrados olhares. Profana e santa, coberta de flores mundanas, seguiu pelo meio da procissão. O cotidiano era o seu purgatório particular e naquele dia ela se livraria dele, pensou. Nesse momento, Santa Maria Madalena, esculpida em cedro, sorriu-lhe de cima do altar e a protegeu. Ia piscar quando um descuidado beato, magoado com a cena, deixou pingar uma gota de vela em cima dos seus olhos santos de madeira. Mas para ela era o suficiente: o sorriso de Maria Madalena lhe conferia a certeza da possibilidade e permissão. Lembrou que só de passar pela procissão, fazia parte dela e lembrou também que foi assim com Madalena:

Os doze estavam com ele, bem como algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios.”(Lucas 8:1-2)

Já fazia tempo que não sabia mais do sagrado e nem se estava exorcizada de seus sete demônios particulares, mas ao caminhar toda cravada de rosas, abraçava lentamente a sua libertação. Seguiu atravessando a multidão de olhos julgadores. Passou pela farmácia, pela mercearia, pela padaria e arrancou todas as possíveis e secas palavras até chegar, finalmente, na praça central da cidade. Já passava das sete horas da noite e ainda haviam alguns poucos meninos recolhendo suas pipas dos céus. Os bancos da praça já estavam sendo disputados pelos anônimos que ali iriam profanar seus amores. Tudo tangia a um silêncio quase hediondo das noites decisivas.

Procurou o jardim principal e repentinamente sua boca salivou. Engoliu a certeza de que aquele era o lugar ideal para as rosas serem cultivadas. Sentiu a terra molhada em seus pés e sorriu. Ajoelhou, passou as mãos na grama e sorriu mais ainda. 
Finalmente tinha encontrado a sua cama. Deitou de barriga para cima, braços e pernas abertos, corpo completamente coberto de rosas. Olhou a luz da lua. Ousou imaginar um rosto nas nuvens mas nada viu. Nada se formou. Nenhuma imagem. Nenhum sinal. Nesse momento não sentia nem alegria, nem tristeza. Sua vida lentamente foi calando-se, vermelha e deu tempo apenas de suspirar algo como:

"Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes para a terra, pois dela foste tirado. Tu és pó e ao pó voltarás." (Gênesis 3:19) 
 
No jardim, sorriu um novo botão de rosas ainda de manhã.

14 comentários:

  1. Já não sei mais se isto é literatura ou cinema.
    Bravo!
    Bravíssimo!

    ("alguma razão útil entre terra e céu"... ah, isso há de martelar aqui dentro o dia todo.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que pode ser cinema, minha amada amiga... rs rs....
      Obrigada pelo carinho da leitura e por todas as pontuações. Beijos enormes pra vc.

      Excluir
  2. Uau...fantastico!
    Bravo!Bravissimo!! (2)

    ResponderExcluir
  3. Uau...fantastico!
    Bravo!Bravissimo!! (2)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse comentário é da pequena Lia-Linda? Por isso vieram dois? rs rs rs... Beijos na Liazinha.

      Excluir
  4. Parabéns Si! Vc tem o dom!!! Fiquei imaginando cada cena escrita por vc! Con

    ResponderExcluir
  5. Fantástico ...Como muito de tudo que escreve!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela leitura, Manoela.
      Beijo grande.

      Excluir
  6. Tiro meu chapéu pra vc. Perfeito. Pude até sentir o aroma das rosas... porque eu gosto é de rosas!!
    Parabéns!
    Elan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Elan. Obrigada pela atenta leitura que sei que sempre fazes.
      Beijo grande.

      Excluir
  7. Muito além do espelho !!
    Parabéns, Si.
    Beijos,
    Ro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho e leitura, Ro.
      Beijão.

      Excluir

o Febre CRÔNICA agradece sua leitura e comentário.