segunda-feira, 27 de agosto de 2012

VIDA, ESPERA E SEGREDO DE UM homem FEIO - Por Vinícius Linné


meramente ilustrativa - por Vinícius Linné

O homem tem um segredo. E ninguém sabe do segredo porque ele é feio.
O homem.
E o segredo.

Por serem feios os dois, eles acham que se pertencem. E então vivem assim, violentados, dilacerados e solitários, mas seguros. Como se segurança para a vida bastasse. E não basta.

O homem não conta para ninguém o segredo. Tem medo de que sua feiúra faça correr todo mundo. Às vezes, no entanto, a noite chega pesada e a escuridão até esconde o espelho. Nessas horas, o homem deseja, bem sozinho, encontrar alguém tão feio quanto ele.

Só na comunhão dos feios é que o segredo se repartiria. Como dádiva, como oferta, como uva verde de se colher com a boca madura e famélica. Ele diria, então, o seu segredo. E a feiúra do outro o entenderia. E então, meu Deus, então os quatro se pertenceriam. Sim, porque também ao outro seria imperativo ter um segredo próprio. E ainda mais feio. Ou, no mínimo, tanto quanto.

Quando ele enxerga um feio na rua, sente como que um pertencimento. Poderia ser este. Poderia ser este que aceitaria a troca dos segredos. Porque só ao feio o feio pertence. Como se eles estivessem abaixo, muito abaixo, da beleza alheia. Como se não merecessem, sequer, respirar o mesmo ar que os filhos de Apolo e Afrodite.

O homem tem mesmo essa certeza de que os feios se pertencem. De que a beleza jamais o tocará. E de que ele merece, afinal, ser assim, um pária. O tempo passando fere o feio, porque ele não encontra em ninguém um espelho. E então ele segue, torturado e algoz. Segue sua trilha de desmerecimentos, segue intocável. Acreditando-se santo de cada dor. Mártir das flechas que jamais transpassaram seu corpo.

Porque no fundo é fácil mesmo. É fácil não tentar, não se arranhar. É fácil se esconder por trás do rosto, sem perceber que ele é só uma máscara fina. É fácil procurar o que também é feio como se isso fosse uma salvação. Não é.

A salvação seria pertencer.

E ele não consegue. Não foi acostumado. Desde pequeno excluído. Desde muito novo rejeitado pelos outros todos que eram tão bonitinhos e cheios de vida. Ele aprendeu sempre que era feio. E que feios tinham seu próprio lugar à lama. Onde podiam assustar à vontade, chafurdar nos seus segredos horríveis e serem pouco menos que nada.


Hoje é noite. E das escuras. E ele pensa, de novo, no outro. O outro mais feio que podia chegar. Mas o mais feio não chega. Não chega porque acha este homem nosso – e seu segredo – bonitos demais para ele.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Pertencimento?!
    Uma questão a considerar...

    ResponderExcluir
  3. E essa noite mais escura que todas as outras não chega nunca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não queria nunca essa noite... Nunca.

      Excluir
  4. Desencontro bonito de ler.

    ResponderExcluir
  5. Puxa, muito boa!! Adorei saber que mesmo feia, sou bonita aos olhos alheios. E como eu, todos são... quebremos o espelho, que engana!

    ResponderExcluir

o Febre CRÔNICA agradece sua leitura e comentário.