quinta-feira, 4 de julho de 2013

cARTA AO CALENDÁRIO - por Simone Huck

"Calendar 2013" - Mina Braun

Nunca te escrevi uma carta. Ainda tenho dúvidas se ao final, isso será uma carta. Inquieta-me sua presença numérica e fria em minha vida. Nos últimos anos você tem trapaceado sem disfarces. Finjo não ver sua apressada ordem. Vivemos no istmo entre certezas e incertezas. Eu envelheço. Você se renova. Somos assincrônicos e obstinados.

Na maioria das vezes você é de papel. Na maioria das vezes sou de carne e osso. O que nos sustenta é dúbio. Nossa natureza escorre líquida. Sem pausas. Às vezes, precisamos de mais feriados para permanecer ilesos.

Sua gênese vem das plantações. Minha gênese vem das guerras. Nunca fomos amigos. Jamais seremos. Insisto para que desista das pontuações. Seguirei escapando pela tangente de seus números ordinais. Algumas de suas datas comemorativas sigo esquecendo.

Queria agradecê-lo imensamente pelo nosso último duelo. Quando você e o médico sentenciaram a mãe, me transformei numa filha de ferro. Já não quebro tão fácil. Troquei de pele e pulso. Renovei minha saliva. Sua rotação consertou meu eixo. Perdi o pouco que sobrava da minha fé e conquistei o melhor dos lugares junto à mesa da Santa Ceia. Tenho dividido pão e vinho comigo mesma. Insisto: desista de querer nos agendar.

Para terminar essa carta - que já está longa demais – não podemos esquecer que sua origem é duvidosa. Você já foi romano, islâmico, teórico, hebraico, misto, juliano, gregoriano. Eu continuo tendo o mesmo nome, morando no mesmo apartamento e tendo a mesma obstinação: envelhecer na tangente do seu incerto sentido. Sem mais. Sem números. Adeus.  

10 comentários:

  1. Meu, só lhe digo uma coisa: eu queria ter escrito isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também já quis ter escrito algumas coisas que você escreveu.
      Por hora, vamos dividir o cálice de vinho.
      Beijos minha amiga.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigada pela leitura e carinho!
      Beijos.

      Excluir
  3. adeus, eu nem te conto mais. meus dias, não-dias... que diferença faz?

    ResponderExcluir
  4. http://youtu.be/6VlC2Q7zo-Y

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela música. Eu me apaixonaria por ela todas as manhãs de todas as vidas... Ouvindo e ouvindo.
      Huck

      Excluir
  5. Amei,amei ,amei essa coisa de "seguir escapando dos números".
    LIndo,Si.

    ResponderExcluir
  6. Ei companheira de sala, é você mesmo que faz companhia de seg á sexta no horário comercial no hmb : Sua gênese vem das plantações. haha :)
    um link muito fera que achei, & lembrei de você: http://eumechamoantonio.tumblr.com/

    um abraço bem gelado da sala que nos aquece semanalmente!

    ResponderExcluir

o Febre CRÔNICA agradece sua leitura e comentário.